LOGIX assina contrato com a B&A MINERAÇÃO para implantação de Projeto Bonito | LOGIX | uma empresa Cast Group

LOGIX assina contrato com a B&A MINERAÇÃO para implantação de Projeto Bonito

LOGIX assina contrato com a EFACEC para serviços de controle e proteção em Subestações de 230KV da CHESF
novembro 17, 2014
LOGIX fecha importante contrato turn-key com a ODEBRECHT ambiental para Automação do Sistema Rio Manso (COPASA)
dezembro 19, 2014

LOGIX assina contrato com a B&A MINERAÇÃO para implantação de Projeto Bonito

LOGIX assina contrato com a B&A MINERAÇÃO para fornecimento completo do Sistema de Controle e Supervisão de sua nova Planta de Fosfato denominado Projeto Bonito, situado no estado do Pará.

A B&A Mineração é uma empresa brasileira, joint venture entre o BTG Pactual e a AGN Participações, que busca identificar, desenvolver e operar ativos minerais de forma sustentável.

Apresenta sólida experiência em exploração, implantação de projetos, operação, logística e marketing – com a combinação de expertise de sua equipe, seus sócios e prestadores de serviços.

O corpo executivo possui experiências variadas e abrangentes em vários projetos de diferentes commodities e geografias ao redor do mundo. Essa riqueza de experiências contribui para abordagens modernas para projetos de mineração, conjugando eficiência de operação à sustentabilidade do projeto, com respeito ao meio-ambiente e às comunidades locais.

Combinando expertise em todas as áreas de mineração e capacidade financeira, a B&A está fortemente posicionada para prospectar boas oportunidades de projetos minerais.

O escopo da LOGIX consiste no desenvolvimento de todo o software de controle e supervisão, testes de plataforma, testes de campo, comissionamento, start-up, operação assistida, treinamento das equipes de engenharia e operação/manutenção do sistema entregue.

Projeto Bonito

De acordo com Roberto Busato, diretor de Fertilizantes da B&A, o empreendimento, localizado no município de Bonito, a cerca de 150 km de Belém (PA), tem capacidade para produzir 150 mil toneladas/ano de fertilizante fosfatado, obtido através de processamento térmico do minério. Atualmente, além da planta de Bonito, só existe outra no mundo utilizando processo similar, que fica no Senegal.

Para viabilizar o seu empreendimento a B&A teve que desenvolver o próprio processo e para isto contou com financiamento da Finep (Financiadora de estudos e Projetos), que aportou R$ 100 milhões a fim de que a empresa pudesse implantar o projeto Bonito e realizar pesquisas de potássio em Sergipe. Desse valor, R$ 70 milhões foram para o projeto no Pará.

O diretor da B&A destaca que o empreendimento do projeto Bonito, além de ser inovador é o único na região norte a produzir fertilizante e passou a atender um mercado que era totalmente dependente de importações.

Ele também salienta que a implantação do projeto se deu em tempo recorde, já que da aprovação até a entrada em operação decorreram apenas 15 meses, envolvendo abertura da mina, instalação da usina de processamento e treinamento de pessoal, a maioria contratada localmente, um contingente de 130 pessoas, sendo 90 contratados da própria empresa e 40 terceirizados.

O fluxograma da planta industrial inclui as etapas de britagem, moagem, calcinação em forno rotativo, granulação e expedição, a granel ou em bigbags. O processo de calcinação é feito com o minério passando por gases em contra-corrente, a 700 oC, promovendo a conversão do fósforo que vem no minério, tornando-o solúvel.

A produção de gases se dá através da queima de três tipos de biomassa: cavacos de madeira, fibras de dendê e resíduos de açaí, abundantes na região, o que é um ganho ambiental, segundo Busato, já que se transforma resíduo em combustível. Outro aspecto ambiental importante é o baixo consumo de água. Enquanto nos outros processos de produção de fertilizantes no Brasil, para processar rocha com 5% de P2O5 e elevar o teor para 20% consome-se 2 mil metros cúbicos/hora de água, no Projeto Bonito o consumo é de apenas 20 metros cúbicos/hora. Além disso, o empreendimento não gera rejeitos, dispensando a construção de barragem de rejeitos.